segunda-feira, 2 de maio de 2011

Mar sem Fim. Mar Portuguez.

De vez em quando é preciso sair. Deixar-se levar pelo vento. Navegar por outras águas.
É por isso que voltamos a activa com um trecho do documentário Mar sem Fim.
Esse documentário é sobre o projeto Antártica 360º, uma das maiores expedições marítimas em solitário já realizadas, desenvolvido pelo navegador Amyr Klink entre 1998 e 1999. Seu veleiro não passou por Portugal, mas deu a volta ao mundo. E o que sua experiência nos ensina, vale para qualquer ser humano, em qualquer lugar do planeta.




“Tanto mar, invés de nos separar, nos uniu. Em 141 dias de ausência, do início ao fim, o Paratii fez a sua volta e retornou a Jurumirim. A Terra é mesmo redonda. Ao longo do caminho, pensando bem, nem vento, nem ondas, nem gelo tão ruins, porque no fim, nada impediu meu veleiro de voltar inteiro à sua baía. E nada foi melhor do que voltar para descobrir, abraçando as três, que o mar da nossa casa não tem mesmo fim.

Pior do que passar frio, subindo e descendo ondas ao sul do oceano Índico, seria não ter chegado até aqui. Ou nunca ter deixado as águas quentes e confortáveis de de Parati. Mesmo que fosse apenas para descobrir o quanto elas eram quentes e confortáveis. Eu senti um estranho bem estar ao contornar gelos tão longe de casa.

Hoje entendo bem o meu pai. Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou tv. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar do calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é, que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”.

Portugal é sinónimo de mar, oceanos, navegações. Deixo-vos um trecho de Mar Portuguez, de Fernando Pessoa.
"E ao imenso e possível oceano
Ensinam estas Quinas, que aqui vês,
Que o mar com fim será grego ou romano:
O mar sem fim é português."

2 comentários:

  1. O mar encanta e seduz todos os aventureiros que a ele se ligam.
    O mar é uma longa estrada que nos levou na rota dos tesouros e ensinou que os homens são coloridos.
    Gosto muito do mar mas cheiro-lhe o medo...

    ResponderExcluir
  2. Ó mar salgado, quanto do teu sal
    São lágrimas de Portugal!
    Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
    Quantos filhos em vão rezaram!
    Quantas noivas ficaram por casar
    Para que fosses nosso, ó mar!

    Valeu a pena? Tudo vale a pena
    Se a alma não é pequena.
    Quem quer passar além do Bojador
    Tem que passar além da dor.
    Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
    Mas nele é que espelhou o céu.

    Fernando Pessoa

    ResponderExcluir

Os mais lidos