segunda-feira, 20 de junho de 2011

Geração T. A Telecomunicação em Portugal.

Como existe telemóvel em Portugal!
Quanta gente com telemóveis (celulares) nas mãos a enviar mensagens de texto!
É um tecla-tecla aqui, um tecla-tecla acolá. Fiquei impressionada com a rapidez que os miúdos apertam os botõezinhos: parados, caminhando, bebendo água, conduzindo e quase até de olhos fechados. E o som da mensagem a chegar… esse eu conheço de longe em vários modelos de telemóveis.


Aqui todo mundo tem telemóvel, muita gente tem até 2. Já em 2009 Portugal tinha uma taxa de penetração de telemóveis acima dos 90%, conforme o Barómetro de Telecomunicações da Marktest.
Africanos e brasileiros gostam mesmo é de falar. Com um custo baixíssimo, a telefonia móvel em Portugal é a alegria dos povos comunicativos. Falar, e de graça, não tem preço! Brasileiro que se preza tem Moche. Se ainda não tem, uma hora terá que se entregar aos encantos da telecomunicação por €10,00 mensais. Eu tenho!

A telecomunicação acessível a todos é um dos pontos positivos de viver em Portugal. Internet e telefone móvel não são coisas só para os ricos. É para toda a gente!
Mas uma coisa é fato, o fenómeno dos telemóveis e outros gadgets é mundial. Vejamos o que aconteceu com o lançamento do iPad. Em Portugal, a segunda versão do tablet mais esperado do ano, esgotou em menos de três dias. Assim contou o i.



Nos transportes públicos ou nos carros, nas ruas e esplanadas, dentro dos cafés e restaurantes, nas salas de espera ou nas salas de aula, enfim, em todo lado estamos cercados de pessoas a segurar seus telemóveis, iPhones (e já é possível ver os iPads) e outros aparelhos, a teclar incessantemente.
E não só os miúdos. O Luciano Pires fez um artigo espectacular sobre esse novo fenómeno social, onde todos estamos a digitar, teclar, tuitar, postar ou seja lá o que for. E deu um nome muito engraçado: 


Geração T.

Eu identifiquei a Geração T em São Paulo, Lisboa e tenho certeza que você vai encontrá-la na sua cidade também.
O artigo que está no Portal Café Brasil é assim:

Meu amigo Patrick é francês e vive no Brasil há anos. Tem uma visão crítica da forma de ser do brasileiro em comparação a outros povos, especialmente os europeus. E eu me divirto com ele. Recentemente, presente a um desses eventos badalados que tratam de redes sociais, ele me ligou para descrever o público. Jovens, muito jovens, com seus IPads e IPhones, tuitando furiosamente enquanto assistiam às palestras de dezenas de especialistas. Ao final da palestra, invariavelmente o apresentador dizia:

- Alguma pergunta?

Silêncio. Ninguém. Nada. E assim foi, de palestra em palestra. Ninguém nunca perguntava nada. O Patrick então disse que aquela era a geração T. Tê de testemunha: “Sou testemunha de tudo, mas não tenho opinião sobre nada.” 
É isso mesmo que tenho visto por aí: a geração T dominando os espaços e dedicando-se à única coisa que consegue fazer: contar para os outros o que viu. Ou no máximo, repetir a opinião de terceiros, enquanto permanece incapaz de analisar, comparar, julgar e de emitir opiniões.

Mas sabe o mais louco? A “geração T”, diferente das outras gerações, parece não ter um período definido. Não é composta exclusivamente de gente que nasceu entre o ano x e o ano y... É claro que a quantidade de jovens é muito grande, mas ela generosamente engloba gente nascida desde 1950... 

Em minha palestra “Quem não se comunica, se estrumbica” falo de um estudo que mostra que nos 40 mil anos que se passaram desde o momento em que o homem desceu das árvores até inventar a internet, a humanidade produziu 12 bilhões de gigabytes de informação, algo como 54 trilhões de livros com 200 páginas cada. Agora veja esta: somente no ano de 2002 produzimos os mesmos 12 bilhões de gigas! Geramos num ano o mesmo que em 40 mil anos... Em 2007 foram mais de 100 bilhões de gigas! E em 2012 serão alguns trilhões! Produzimos informação numa velocidade cada vez maior enquanto inventamos traquitanas que tornam cada vez mais fácil acessar essas informações. Mas de que adianta ter acesso às informações se não temos repertório para dar um sentido à realidade?

O resultado é a geração T, que sabe tudo que acontece, mas não tem idéia do por que acontece. Entrega-se à tecnologia de corpo e alma, como “vending machines”, aquelas máquinas automáticas de vender refrigerantes em lata, sabe? Distribuidores de conteúdo de terceiros, focados no processo de distribuição, mas sem qualquer compromisso com o conteúdo distribuído.

Nada a estranhar, afinal. Querer que as gerações que saem de nosso sistema educacional falido conheçam questões conceituais, paradoxos, tradições, estilos de comunicação, relações de causa e efeito, encadeamento lógico dos argumentos e significados para poder exercer o senso crítico é demais, não? É mais fácil e menos comprometedor simplesmente contar para os outros aquilo que ficamos sabendo.

A geração T não consegue praticar curiosidade intelectual, só a curiosidade social. Tentei achar um nome para esse fenômeno e acabei concluindo que só pode ser um: fofoca.

A geração T é a geração dos fofoqueiros. E você é testemunha.

Luciano Pires

E para você que chegou até aqui, uma música para inspirar. Enjoy the Silence.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os mais lidos