domingo, 3 de março de 2013

Cuidar da saúde em Portugal.

Para entrar em Portugal é necessário comprovar que, se você ficar doente, alguém vai cuidar de ti. Isso significa que você precisa comprovar que está assistido por um sistema de saúde privado ou público.
Desde 1995, o Acordo de Segurança Social/Seguridade Social entre Brasil e Portugal proporciona, entre outros benefícios, proteção na área da saúde aos cidadãos brasileiros em Portugal e cidadãos portugueses no Brasil.

Para quem tem o INSS pago, é só solicitar o formulário PB-4 e pronto. Tem direito a usar os serviços da saúde pública em Portugal também. O Portal Consular explica direitinho e a Embaixada de Portugal no Brasil também.
Quem não tem o INSS pago, basta apresentar um convénio de saúde com abrangência internacional.
Eu não tinha o INSS, pois havia um ano que estava desempregada e não paguei o INSS particularmente. Sendo assim, cheguei aqui com o convénio particular. Mas mesmo com o convénio particular, é possível dirigir-se a Junta de Freguesia da sua residência e solicitar seu cartão de utente, que é o cartão que dá-lhe acesso a assistência de saúde pública. Leve sua carteira de vacinação, comprovante de morada e o título de residência.
Antes de chegar ao hospital público, geralmente, é preciso passar no médico de família, que é o médico que fica no posto médico junto a sua freguesia (bairro).  Através dele que se é encaminhado, se necessário, ao hospital.
Nesses três anos de Portugal, já precisei ir às Urgências, em consultas de rotina e levo constantemente clientes ao hospital. Já passei em hospitais públicos e privados. Ultimamente, as taxas moderadoras e os valores das consultas vem subindo de preço, devido aos cortes que o Governo estão fazendo.
Mesmo assim, o sistema público de saúde, até onde fui atendida, foi excelente.

Os remédios também são mais baratos por aqui. Meu anticoncepcional, que pagava em São Paulo R$30,00, aqui pagaria apenas €5,00, entretanto, o posto de saúde oferece-me gratuitamente.

É claro que existem problemas, ainda mais nesta situação de recessão que o país se encontra. Já vi fila de velhinhos na calçada da Junta de Freguesia as 7h da manhã (num dia de inverno) aguardando sua vez a serem atendidos. Uma ressonância magnética pelo sistema público pode demorar até 2 anos para ser autorizada. Há reportagens na televisão sobre falta de médicos no interior do país, deixando seus moradores sem nenhuma assistência. Já assisti notícias sobre a carga horária de trabalho excessiva dos médicos em Portugal, assim como a precariedade nos serviços dos enfermeiros.







Muitas dúvidas surgem quando pensamos sobre saúde, ainda mais no exterior. O Conexão Portugal também já abordou esse assunto em 2011 quando publicou o artigo sobre Acordo de Equiparação de Benefícios.

Mesmo assim, entre tantas questões a serem abordadas sobre a saúde em Portugal, fico tranquila de poder ser atendida e tratada neste país. Espero que o Governo deixe de cortar despesas neste setor tão essencial do país e que os excelente médicos e demais profissionais de saúde possam continuar a exercer seu trabalho com dignidade.

3 comentários:

  1. Oi Debora! É muito bom saber que você tem recebido um bom atendimento aí em Portugal apesar da crise. Que continue sendo sempre assim! Eu nunca tive problemas quando eu vivia aí mas por outro lado recorria muito ao sector privado. Aqui na Suécia fica barato aceder aos serviços de saúde, mas pode demorar imenso tempo até conseguir consulta no hospital.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Ola Debora, qual seu email? Eu queria tirar umas dúvidas com vc sobre Portugal! Obrigada
    carol.pharmac@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. RM não demora dois anos, mas pode demorar dois meses. Ou até pode ser na hora. Depende da urgência da doença e do estado do doente. Mas não esqueça que cada exame desses custa 300 euros ao Estado.

    ResponderExcluir

Os mais lidos